Bob Bly, um dos grandes redatores da nossa geração, certa vez escreveu um artigo sobre os tipos de títulos que acabavam por se tornar irresistíveis a nossa curiosidade.

Esses oito exemplos mudaram tanto a maneira com que eu, redator publicitário, enxergava a construção de headlines que (rapidamente) se tornou um “artigo de cabeceira”.

Hoje, eu deixo ele aqui resumido para vocês.

A primeira coisa que você tem que ter na cabeça é que o título é a parte mais importante de qualquer trabalho escrito que você produza, seja um post de Facebook, um e-mail que você dispare para a sua lista ou um artigo que você produza e que coloque no seu blog.

E por que? Porque sem o título, não há o resto. Se o título não for bom o suficiente para chamar a atenção do lead e convertê-la em um clique (ação) tudo acabou ali mesmo.

Criar um título irresistível é prática, domínio e também muito arroz com feijão. Essa capacidade vem com o tempo e só melhora; e, acredite, escrever é a melhor coisa que você pode fazer para que essa habilidade se desenvolva. Produza cem, cento e vinte artigos antes de desistir. Antes disso, você sequer desceu para o playground.

Mas, como tornar isso mais fácil e a curva de aprendizado mais eficiente? Bly dá uma ajuda daquelas! Ele consegue resumir todos os seus milhares de títulos a oito perfis vencedores. São eles:

1. Um título direto.

Vendo esta casa!

É o título que vai logo ao ponto. David Ogilvy, o maior redator publicitário da história, costumava dizer que, as vezes, a maneira mais eficiente para se vender uma casa era anunciar: “Vende-se esta casa”. Nesse caso, você pode aproveitar títulos diretos quando houver uma boa promoção, principalmente em produtos que você costuma vender bem.

Exemplo: “30% de promoção em todos os cursos online, até o final da semana”.

2. Um título indireto.

A principal vantagem de se trabalhar com um título indireto é o incremento do fator curiosidade ao texto. Anunciar: “você não vai acreditar nessa oportunidade!” é uma ótima maneira de fazer um lead que nunca teve contato com o seu produto clicar e ser qualificado, através do restante da sua produção textual.

Nunca menospreze a força da curiosidade, principalmente se você trabalha com o público feminino.

3. Um título estilo notícia.

Título estilo notícia!

Aprenda com os jornais, que não só vendem notícia, mas timing. Todo mundo gosta de novidade e de, também, ser um dos primeiros a saber sobre alguma coisa. Todo ser humano (ou a maioria de nós) tem um grande prazer em ser o “portador das boas novas”. E é por isso que um título em forma de notícia acaba convertendo tantos cliques.

Trabalhe, por exemplo, com algo assim: “Anunciamos uma maneira totalmente nova para emagrecer!” ou “A última palavra em tênis para corrida!”.

4. Um título “How to”.

O “How to” é uma coisa tão americana, que mesmo que nós produzamos os artigos em português, acabamos usando o termo deles em inglês, mesmo. Esse é o título que reina (junto com as listas) nas redes sociais, porque não só traz o caráter de curiosidade (eu quero saber como é que se faz isso!) como, também, traz a ideia de que é de fácil implementação.

“Aprenda como se tornar mais produtivo!” ou “Como angariar mais seguidores” são ótimos exemplos.

5. Um título em forma de pergunta.

Há redatores que adoram títulos em forma de perguntas; eu vou admitir que já gostei mais. Hoje, todas as minhas métricas mostram que uma afirmação, uma lista ou um “how to” acabam funcionando melhor. Mas, quando o título em forma de pergunta é bem feito, é capaz de gerar uma enxurrada de cliques.

Aproveitando esse tópico para te fazer uma pergunta: certo, o seu título foi matador, mas e o restante do conteúdo? Nem só de título vive um grande artigo. Saiba mais nesse nosso artigo, sobre como vender qualquer coisa.

Você pode fazer algo do tipo: “Você sabe como fechar mais vendas?” ou ainda: “Quem aqui gostaria de ter mais compartilhamentos?”.

6. Um título com uma ordem.

Isso é uma ordem!

Você vai se espantar com a quantidade de pessoas que clicariam no seu anúncio (e que não clicam hoje), simplesmente porque você não pede. Pois é, nem eu imaginava que era assim. Nós nascemos para respeitar a autoridade. É a primeira coisa que aprendemos a fazer, quando ainda somos uma criancinha.

O meu filho, hoje com um ano e um mês, ouve comandos o dia inteiro. “Não mexa nisso, não faça isso, não coma coisas do chão, não jogue sua mamadeira longe!”.

É de se esperar que, envolvido por outros processos de geração de interesse e sedução comercial, o lead, ao ser ordenado que clique, simplesmente clique.

Seria algo do tipo: “Cinco formas novas de anunciar. Veja agora!” ou ainda: “Saiba como economizar tempo no banco. Clique aqui!”.

7. Um título “Reason Why”.

Esse é outro exemplo de título que se torna muito mais agradável de ser explicado em inglês do que em português. Um título “Reason Why” é aquele que lhe oferece uma vasta gama (geralmente em formato de listas) para convencê-lo a fazer duas coisas: a primeira delas é a clicar e ler o restante do texto e a segunda é a realizar a ação que você pretende que o lead faça.

São bons exemplos: “20 motivos para você planejar melhor as suas campanhas de e-mail marketing” ou ainda: “8 formas de aumentar o seu tráfego orgânico através do Google”.

8. Um título testemunhal.

Testemunho positivo!

Esse é mais um daqueles títulos (ou técnicas) que eu acredito que funciona mais nos Estados Unidos do que em um país latino, que tem as suas reservas quanto ao depoimento acrescentado direto em um título.

Títulos testemunhais dizem, diretamente falando: “Eu sou aluno do Novo Mercado e você não tem ideia de como eu estou feliz” ou ainda: “Eu economizo tempo com esse aplicativo para contas”.

O fato é que esse tipo de título acaba funcionando muito mais nos Estados Unidos por dois motivos básicos: o primeiro é que, em inglês, a coisa fica muito mais bonita; fica mais sonoro e estético. Em português fica mais esquisito. O segundo é que não é a forma com que nós estamos acostumados a nos relacionar com os conteúdos.

De todos os exemplso do Bly, esse era o que eu menos perderia tempo. A não ser que (meu jovem!) você consiga um testemunho de alguma celebridade ou grande ícone do mercado. Daí esse passa a ser uma opção mais do que plausível!

Mas, como não é sempre que conseguimos isso, lembre-se: a honestidade é a garantia de que você continuará por aqui por muito e muito tempo. Não invente!