Se não é o primeiro artigo nosso que você está lendo, você já deve saber que eu sou um entusiasta do conteúdo; e que (mais do que isso) eu acredito que produzi-lo em ótima qualidade, prestando atenção nas pessoas e nas suas necessidades, não só é a forma mais barata e eficiente para se posicionar (e se comunicar!) dentro da internet, como é aquela que exige menos estrutura, investimento, expertise e dinheiro.

Para produzir um conteúdo bem feito e engajar a sua audiência basta boa vontade, método e um lugar onde você pode alocar tudo isso.

Bingo, aqui começa a nascer a sua fazendinha, onde a sua audiência (leads) serão atendidos, educados, informados, terão as suas dúvidas retirada e poderão ser convertidos em novos clientes.

Não importa o quanto o tempo passe e quantas novas tecnologias (redes sociais, a moda dos vídeos ou das transmissões ao vivo) cheguem, o blog ainda continua sendo um dos pontos de encontro preferidos para quem quer aprender sobre determinado tema ou encontrar soluções atraentes e fora do “meio comum” do mercado.

E o principal motivo para isso? Blogs são independentes, visitados por pessoas reais e tratando sobre questões que fazem parte do nosso dia a dia.

E é justamente assim que um bom blog deve ser!

Tá, e quais são os venenos?

Se você pretende aumentar a sua audiência e o engajamento entre você e os seus visitantes, é importante que você evite esses que eu considero os cinco venenos (as questões mais prejudiciais) quando o assunto é criar uma comunidade constantemente engajada e um ótimo ecossistema.

1. Você está escrevendo para o Google ou para a sua audiência?

Chato!

Sempre haverá essa discussão, quando um redator e um especialista em SEO ou SEM estão dentro de uma mesma sala. Tudo bem o que o SEO é fundamental para o bom ranqueamento da sua informação no Google e para que você ocupe espaço da melhor maneira possível, mas eu posso te contar um segredo?

Um segredo simples, mas que vem me ajudando a criar conteúdo de alto impacto e que recebe milhões de visualizações todos os anos?

Escrever um bom texto, bem arranjado e com informação genuína e de qualidade ainda é a melhor forma que existe para ser visto e ter reconhecimento por parte da sua audiência. Essas questões técnicas funcionam e te ajudam demais, mas não elimine o seu jeito e nunca suprima a sua personalidade em favor do que manda os especialistas.

2. Ter um blog igual a todos os outros.

Mais do mesmo...

Esse acaba sendo um dos grandes problemas de quem está começando agora. Você já reconheceu a importância de uma política e de uma estratégia focada em produção de conteúdo, está aprendendo a gerar textos mais inteligentes e eficientes e decide que é a hora de dar mais um passo rumo à implementação disso tudo.

Eis que você decide criar o seu blog e começar a ocupar espaço.

O que acontece? Você compra o template que está todo mundo usando (porque disseram para você que dá ótimos resultados) e passa a produzir exatamente o mesmo tipo de artigo que todos os seus concorrentes estão produzindo; talvez você até contrate a mesma fornecedora de textos que eles fazem.

O resultado? Por que é que alguém decidiria dar atenção a você e a sua mensagem, se ela não difere em nada dos outros vinte ou trinta players do mercado?

Que tal se diferenciar um pouco?

Utilize uma linguagem diferente, seja corajoso, seja criativo, destaque-se com comentários com mais personalidade ou (simplesmente) foque em uma nova experiência do usuário para quem está acessando o seu conteúdo nesse exato momento.

Inove, ou morra.

3. Ter títulos fracos, posts chatos e imagens com péssima qualidade.

Chato, chato, chato...

Se as pessoas comprassem os seus carros apenas para poderem ir do ponto A ao ponto B, todos nós andaríamos de Uno Mille, concorda comigo? Ele é econômico, barato, anda (as vezes vem até com ar-condicionado!) e você gasta pouco com manutenção.

Mas, definitivamente, a utilidade não é o único ponto observado (e desejado) por uma audiência quando ela está tomando uma decisão de compra.

A experiência muda tudo.

E, quando nós estamos falando em um blog, o conteúdo é o coração dessa máquina, mas ele não trabalha sozinho. O título é a parte mais importante de toda a sua peça textual e nós temos dois artigos que você precisa ler sobre o assunto:

Esse daqui, que comenta sobre a importância da primeira parte do seu texto.

E esse, que te ensina 8 tipos de títulos irresistíveis.

Um outro erro que você deve evitar é selecionar imagens quadriculadas, batidas ou esticadas para os seus artigos. Isso deteriora em muito a experiência do usuário, que começa a enxergar o seu site como um imenso depósito para fotos ruins.

Outra coisa é produzir a tal “narrativa de jornal-nacional” onde você só analisa os fatos e nunca emite opiniões com personalidade; ou seja, você não arrisca, fica em cima do muro e acaba sendo mais um desses artigos de “review” de um tech-tudo da vida.

Quem entra em um blog quer personalidade, opinião e soluções. Forneça tudo isso e você terá sucesso.

4. Você não possui qualquer estratégia de monetização.

Sem dinheiro?

Tá bom, aqui vai a notícia que acabará com a sua vida e matará o seu peixinho dourado: ganhar dinheiro com um blog não é um exercício de boa vontade. Não basta você desejar muito fazer isso, você precisa de uma estratégia e de muita energia para executá-la da melhor maneira possível.

Antes de continuar, aproveite e dê uma lida nesse artigo aqui, em que eu comento sobre como criar um ambiente perfeito para os negócios.

É sobre essa fundação (ou alguma adaptação dela baseado no seu gosto ou no seu estilo de trabalho) que você deve desenhar a sua estratégia comercial.

Postar por postar não irá:

– Paga as contas.

– Traz audiência.

– Converte os leads em clientes.

Logo, você não conseguirá ir à padaria e voltar com um saco de pães só porque o seu blog teve alguns milhares de visitantes, porque você postou a foto do seu cachorrinho vestido para o dia das bruxas.

5. Você não usa (ou abusa!) dos plug-ins.

Chega de spam!

Os dois cenários são horríveis e (definitivamente) destruirão o seu blog. Eu arrisco dizer (até!) que não usar plug-ins é melhor do que abusar deles.

Ninguém aguenta entrar em um blog ou um site e dar de cara com milhares de pedidos (de joelhos!) para que você tome uma ação chata pra cacete.

Você entra no diabo do site, dai está lá na side-bar: “Veja como eu ensinei a 3.212 pessoas comuns a ganharem dinheiro na internet!”.

“Beleza, site chato. Vamos ver se tem algum artigo bacana para…”

E quando você vai clicar em alguma coisa, abre um POP-UP: “Ei! Você quer aprender a fazer dinheiro dormindo?!”.

“Porra! Que saco! Eu só quero LER um artigo!”.

Pois é. Não seja (definitivamente) esse tipo de pessoa.