Quem me conhece sabe que eu sou um dos grandes advogados do design utilizado em prol do aumento das vendas e da experiência do usuário. Todos os meus alunos e clientes sabem que eu defendo que um bom site e um ótimo pool de imagens é sim capaz de fazer uma grande diferença na sua empresa e na sua marca.

Agora, de nada adianta uma bela Ferrari com um motor de Fusca.

Se antes nós não queríamos nem saber de design, até porque a internet vivia em outros momentos (na era paleolítica) agora parece que só pensamos nisso. Entramos na era da gourmetização do design.

Nos tornamos um tarado por templates.

E o que é que está acontecendo? O conteúdo está sendo (mais uma vez!) deixado de lado.

O conteúdo é rei. Não esqueça disso.

Conteúdo é rei!

Com o melhoramento constante da qualidade da internet, as pessoas questão ficando cada vez mais embasbacadas com as páginas que oferecem plug-ins de vídeo, grandes animações e transições em 3-D ou que abusem de efeitos de NEON e iluminação.

Está todo mundo querendo criar a nova “página mais criativa e disruptivas do mundo” – e isso nem é tão importante assim.

Entenda: o mercado de hoje, muito mais inteligência e com uma concorrência muito maior, não pode ser resumindo em uma única prática ou ferramenta.

O seu sucesso aqui dentro (da internet) não pode ser resumido pelo Design, mas também não pode ser resumido pelo preço, pela proposta, pelo seu trabalho de social media…

A discussão é muito mais complexa do que isso. Hoje você tem que trabalhar em todos os lados, da primeira impressão à experiência no pós-venda. Sem isso, pode ser que você nem sobreviva nesse tanque de tubarões.

Mas há algo que aglutina todas essas coisas e garante a sustentação desse prédio todo: o conteúdo.

Se você parar para perceber, há quase dez anos que o Seth Godin não atualiza o seu layout. Ele, aliás, faz o mesmo trabalho de produção textual, no mesmo blog, naqueles mesmos textos de um parágrafo e meio, desde o começo dos anos 2000.

Quantos blogs super bem arranjados você já viu mantendo a mesma constância?

Isso quer dizer que é preciso abrir mão de layout? Não! Não mesmo! Eu sou um tarado por layout, mas o que eu quero dizer é que você tem que colocar na cabeça que sem conteúdo não há salvação. Você irá cair no esquecimento.

Mais alguns motivos para você focar no conteúdo.

Troque palavras por dinheiro!
Quantos blogueiros e comunicadores dos dias de hoje começaram com apenas alguns tostões no bolso e muita vontade de escrever?

Se você buscar a história dos maiores portais de comunicação dos dias de hoje, perceberá que a maioria nasceu de um sujeito, em casa, geralmente precisando fazer algum dinheiro na internet e que decidiu escrever sobre o que ele mais gostava no mundo…

E deu certo.

Tirar os olhos da ideia de que o conteúdo deve ser o centro de qualquer negócio dentro da internet, é começar a arranjar desculpas.

“Ah, eu não posso começar porque um desginer custa caro”

“Eu não posso começar porque eu não tenho um programador”

“Eu preciso de alguém para me ajudar com site e um fotógrafo!”

Esqueça. Todo negócio que mereça faturar um milhão de reais por ano, começou, provavelmente, no quarto dos fundos de uma casa, com um computador mediano e uma conexão mais ou menos à internet.

Por ser barato, de rápida implementação e difícil de engolir uma desculpa, focar na produção de conteúdo de alta qualidade acaba sendo o remédio para essa mania de procrastinar.

Você só precisa dos seus dedos, da sua cabeça, de um punhado de tempo e de muita vontade de crescer.

E o principal: não custa ($$$) quase nada!

Custa pouco!

Vamos lá, sejamos francos: com quinze minutos de pesquisa no Youtube você aprende a:

1. Comprar e registrar um domínio em seu nome.

2. Configurar um servidor.

3. Comprar e instalar um template.

A maioria das ferramentas de gerenciamento de lista são gratuitas ou custam muito pouco, para uma pequena base de assinantes – e o melhor: você instala e já sai usando.

Encapsulamentos, pop-ups e ferramentas também possuem versões gratuitas ou bem baratas.

CRM e BI? O Google te fornece quase tudo o que você precisa, em um estágio inicial de negócio, de graça.

E, depois? Depois é só alcançar um número mágico!

E que número mágico é esse?

Número mágico

Imagine que você esteja disposto a trabalhar por um ano inteiro na construção de uma pequena (porém respeitável!) audiência com 4.000 seguidores. E que nesse caminho que você está percorrendo, você passe a contar com 30 mil visitas mensais.

São números até que bem módicos, não é? Não estamos falando de grandes saltos…

Para colecionar 4 mil seguidores em 12 meses você precisa apenas encapsular dez novos seguidores por dia. Com um bom lead magnet e com uma boa estratégia para geração de lista, você não passará por grandes apuros.

Existem até alguns artigos nossos só sobre esse tema.

Se quiser aprender sobre lead magnet, veja esse daqui (EM BREVE).

Se o problema for como dobrar a sua lista rapidamente, tem esse daqui.

E esse daqui fala sobre como você irá gerenciar a sua audiência da melhor forma possível.

Se você obtiver essas conquistas em um período de 12 meses (pode até ser que seja antes!) imagine que você trabalhe com um produto, oferta ou negócio específico cujo preço seja de, não sei, vamos chutar: 49.90.

Por que eu escolhi esse valor? Porque durante um bom tempo foi isso que o Novo Mercado fazia. Ele vendia uma única assinatura a 49.90. E esse era o meu modelo de negócio, baseado em um tráfego 98.87% orgânico.

Se você possuir um percentual de conversão médio de 0,5% (o que é bem razoável, dado ao fato que você estará investindo em uma produção de conteúdo de qualidade e uma ótima experiência ao seus leitores), estamos falando de 150 vendas no mês.

30.000 dividido por meio por cento, é isso que dá!

Bom, 150 vendas de qualquer produto ou serviço que custe 49.90 dá um faturamento de…

Uau, é um belo número, não é?

E isso considerando apenas mil visitas por dia, um único produto de um valor consideravelmente baixo e sem contar que qualquer um dos seus 4.000 seguidores apertará no botão de compra.

E isso tudo focando em conteúdo de qualidade, bem escrito, informação sólida e continuada e ferramentas que custam menos de 10 dólares ou que são dadas de graça pelos seus fornecedores.

Você começou a entender porque é que é tão importante focar (focar mesmo!) em uma boa produção de conteúdo?