Fazendo grana no Facebook em 6 passos!

O Facebook é a grande Meca para micro e pequenos empresários. Antes da maior rede social mudar (para sempre!) a história dos anúncios, e a maneira com que as pessoas veem e são vistas aqui dentro da internet, ser notado não era tão simples e democrático assim.

Quem trabalha com comunicação, com marketing ou com tecnologia acaba achando que tudo é fácil (e intuitivo!) demais; bom, não é. Se você nunca fez qualquer campanha para a sua marca ou empresa no Facebook, por exemplo, pode ser que você se sinta um pouco perdido.

E é por isso que eu decidi fazer esse primeiro passo-a-passo simples, ao alcance até mesmo de quem não possui qualquer familiaridade com o marketing e o social-media, para clarear um pouco as suas ideias. São só cinco passos, mas eles são realmente importantes. Vamos lá?

1. Você sabe o que é que você está vendendo?

Saiba o que está vendendo!

Pode parecer uma pergunta engraçada, mas ela é muito importante. É verdade: de acordo com a minha própria experiência, um terço dos empresários com quem eu converso não fazem exatamente o que eles estão vendendo. É como achar que o Starbucks vende café.

Você está vendendo artigos para academia ou autoestima? São óculos ou é estilo e status? A sua loja de comidas naturais vende mesmo açaí ou todo um movimento e aquela sensação de pertencimento àquele grupo de pessoas?

2. Quais são as suas metas?

Tudo bem, vamos lá: você separou R$ 300,00 para pôr esse mês no Facebook, não é? Para quê? Com quais objetivos? Para a promoção de que campanhas? Por qual motivo?

Não adianta, simplesmente, impulsionar alguns posts engraçadinhos ou alguma dessas fotos bonitinhas de pôr do sol, se não há um objetivo estratégico eficiente. Você sabia que se você impulsionar uma matéria você terá muito mais força orgânica do que simplesmente um post comum? Ou que, se você for trabalhar com uma imagem, é melhor que ela tenha uma frase genérica e de inventivo – e que os incentivos funcionam (e viralizam!) mais do que as frases críticas?

Será que não é melhor investir esse dinheiro em um post que leve até alguma página de evento? A algum lead magnet realmebte valioso? (não sabe o que são leads magnets? Tem um artigo aqui sobre isso!)

Afinal de contas, quais são as suas metas?

3. A sua voz está adequada a sua audiência?

Qual é a voz da sua marca?

Falar com um público alvo de 18-24 é totalmente diferente de falar com pessoas casadas, com filhos, acima dos 35 anos. Não só o tom quanto a voz do post muda, mas a exposição, as referências e até mesmo a frequência dessa conversação.

O seu público está mais habitado a textos ou a imagens? Eles entendem um meme? Eles possuem o mesmo nível de humor que o seu? Estão prontos para algumas respostas (gestão de comentários) um pouco mais bem humoradas?

Conforme você vai alimentando a sua rede social, vai também aprendendo com ela. Reúna os posts que deram os melhores resultados. Eles (com quase toda a certeza!) possuem aspectos em comum. Se você não testar, acabará não descobrindo nunca!

4. Você está aproveitando o timing?

Internet é timing. Nunca se esqueça disso, cowboy. O que está fritando a cabeça (e a língua) das pessoas hoje será esquecido amanhã. O meme que está bombando no Facebook, será deixado de lado em algumas horas.

E qual é a vantagem disso? Porque, enquanto as coisas estão quentes (e circulando!) a distribuição desse conteúdo é imensa!

As pessoas não gostam de compartilhar coisas antigas, ou que todo mundo já cansou de ver, em suas linhas do tempo. Agora, quando aquela piada ainda está fresca, você terá uma enxurrada de tráfego orgânico (e motivado!) levando a sua piada, brincadeira ou comentário direto uns para os outros – e, é claro, a sua marca ou negócio de brinde.

5. Você está se posicionando bem?

Qual o alvo da sua campanha?

O tráfego custa muito tempo e dinheiro para ser construído. Uma boa lista (quente e verdadeira!) de seguidores fiéis é o resultado de muitos anos de trabalho. Que tal dar uma mordidinha de quem já fez o dever de casa?

Ótimas observações, comentários engraçados ou observações inteligentes em posts de páginas grandes (concorrentes ou complementares a sua) costumam jogar os seus comentários lá para o alto. Você vai acumulando curtidas e comentários (e, quanto mais você comenta, mais a coisa aumenta!) e toda essa ação acaba se convertendo em curtidas, seguidores e até (quem sabe, se você tiver sorte!) um belo punhado de pessoas falando com você pela caixa de mensagem e querendo saber um pouco mais sobre o seu negócio!


5 assassinos de uma boa campanha de marketing digital

Certo, vamos lá: nesses últimos dez anos eu já testemunhei todo tipo de desastre quando o assunto é a comunicação digital para negócios, sejam eles físicos ou totalmente dedicados à internet. Eu, literalmente, já vi de tudo. 

Mas, como nem tudo são espinhos, eu separei um conjunto de sete práticas que foram responsáveis por até 80% das quebras que eu acompanhei nos últimos 10 anos.

Acredite: se você estiver cometendo uma (ou mais de uma!) dessas práticas, há chances reais de que o seu negócio não esteja performando como deveria, de que você esteja deixando dinheiro na mesa, gastando toneladas de dinheiro com anúncios pagos ou, simplesmente, tenha uma comunicação chata e que não funciona.

Fique de olhos atentos e depois não vá dizer que eu não avisei!

1. Você está comprando lista, não gerando leads organicamente.

Esse é o erro número um dentro da internet. Ponto final. Não tem o que falar. Nove em cada dez empreendedores que chegam até aqui (uau, cheguei à internet, o lugar de dinheiro fácil! SQN), pensam que é só passar o cartão no Facebook, que as calcinhas cairão.

Triste engano. Eu posso te passar agora 05 motivos para você não comprar lista (está nesse artigo!). O que acontece é que você fica dependente de um tipo de pessoa que chegou até você através de uma forçada de barra do Facebook; e o mais importante: quando você fica viciado em comprar lista, você acaba não desenvolvendo um sistema realmente eficiente de catalogação, qualificação e validação dessa audiência.

É como atirar um balde d’água na maçaneta da porta para ver sair dois pingos do outro lado. Resumindo: desista dessa ideia.

2. Você não qualifica os seus leads.

Qualifique os seus leads!

Todo mundo entra pela mesma porta e sai pela mesma janela. Traduzindo: geralmente você recebe toda a sua enxurrada (Deus queira que seja uma enxurrada!) de leads por um ou dois únicos pontos - 9 em cada 10 vezes costuma ser o próprio site e alguma recompensa digital que você não atualiza há seis meses. A partir daí, começa o show de horrores.

Quando o lead cai na sua lista, ele recebe apenas conteúdo requentado, feito por obrigação e que quase nunca é realmente genuíno.

E, quando parece receber algumas coisinhas que foram feitas nos últimos 60 dias, é e-mail de CTA pedindo para ele comprar, curtir ou seguir alguma coisa. Vem cá, não está na hora de você começar a qualificar esse pessoal não?

Aqui tem um artigo que fala só sobre qualificação de leads. Dá uma olhada!

3. Você não tem um blog, tem um encosto na vida da sua empresa.

Tá bom. Admita que o seu blog é um inferno no seu mapa astral. Ele dá trabalho, é feio, está desatualizado e as imagens são todas as que apareceram na primeira linha do Google. Tá tudo uma droga, não é? O pior é que costuma dar trabalho pra caramba para atualizar.

O ponto ruim (péssimo!) de não se ter um bom blog para o seu negócio é que você perde a maior força do universo (pelo menos aqui dentro da internet), que é o tráfego orgânico, de qualidade, educado e que está procurando exatamente agora alguma coisa que você está oferecendo.

Você está tendo acesso ao lead no momento em que (justamente!) ele digitou lá no Google o assunto que é o tópico principal do seu artigo. O que você quer de melhor? Você está tendo a atenção do cara por um punhado enorme de minutos, está agindo com autoridade com ele e está botando o cara dentro da sua página – ou da sua empresa.

“Ai, mas eu não sei como fazer um blog de qualidade, Ícaro!”

Seus problemas acabaram, meu caro amigo. Aqui eu tenho um guia-definitivo para você fazer o seu blog fodão. Dê uma lida e seja feliz (EM BREVE).

4. Você não atualiza o seu layout.

Atualize o seu layout!

Certo, agora lá vem um puxão de orelha. Qual foi a última vez que você atualizou o conteúdo textual das suas páginas? E que você mudou o layout do seu site? Se você trabalha com comunicação, com marketing, com social media ou com criatividade, você tem obrigação (OBRIGAÇÃO!) de fazer isso pelo menos a cada semestre. No mínimo uma vez por ano!

É a sua imagem que está em jogo nisso daqui, meu amigo!

As coisas se tornam velhas surpreendentemente rápido aqui na web. Um site que era bacana, novidade, bonito, todo nos trinques se torna velho e ultrapassado em apenas doze meses. É lógico que advogados, contadores não precisam de um apelo visual tão grande assim (mas, acredite, ajuda!), mas se você trabalha em um ramo mais jovem ou tem uma empresa que depende das redes sociais para pagar as custas contas, está na hora de você dar uma mexida nessa lataria!

5. A sua rede social está sendo usada de maneira errada!

Existem três formas de se usar as redes sociais em favor do seu negócio: a forma errada, a forma certa e a certa pra cacete. E, acredite, você sabe quando a sua rede social está dando certo pra cacete!

Você está criando pelo menos um evento social por mês para engajar os seus leads? Criando pelo menos um bom artigo no seu blog por semana e impulsionando para os seus curtidores? E colocando nesse artigo pelo menos uma referência e um direcionamento para outro artigo bacana? Qual foi última vez que você criou um desafio? E um sorteio? E um webinários?

Eu não acredito que você ainda insiste naquela foto com fundo de praia e aquelas mensagens motivacionais...


6 maneiras de DUPLICAR o tamanho da sua lista rapidamente

Certo, vamos lá: você acabou de subir mais uma versão do seu site, deu uma ajustada no Facebook, fez aqueles cursos livres que tem ai pela internet sobre comunicação e marketing digital e acha que está pronto para sentar nas mesas dos adultos, não é? Eis que os problemas começam a aparecer.

Como todo negócio em fase inicial, você tem um problema urgente para resolver: tráfego!

Enfiar o valor de um carro em tráfego pago está fora de questão. Você ainda não tem um faturamento (as vezes você fatura quase nada!) para justificar esse tipo de ostentação. Bom, qual é a primeira coisa que você precisa fazer para começar a jogar esse jogo pra valer?

São três coisas simples:

1. Ter uma meta bem definida e um público alvo muito bem selecionado.

2. Ter um ótimo modelo de qualificação de leads.

3. Saber gerar os leads!

Aqui vai uma verdade cruel, mas que é melhor que você ouça agora: ninguém aguenta mais esses vídeos (ou esses anúncios, cheios de setas e botões laranjas) pedindo para você curtir ou seguir determinada pessoa ou empresa. Isso está chato. As pessoas estão com o saco cheio disso tudo.

Agora, sabe o que todo mundo gosta? Brindes. Ganhar algo. Receber alguma coisa (material ou sob a forma de conhecimento) sem ter que (preferencialmente) desembolsar nada por isso! Hum, certo, começou a fazer algum sentido? Pois é. E ficará ainda melhor.

Sejamos francos: lá fora, no mundo real, as pessoas estão matando por um lead. Cada e-mail está sendo conquistado com tiro, porrada e bomba. Você vai (simplesmente) colocar uma fotinho sua de braços cruzados e aquele terninho e esperar que as pessoas cheguem até você? Está na hora de ser mais criativo!

Aqui vão 05 maneiras de duplicar a sua lista rapidamente.

1. Crie Workshops.

Que tal um Workshop?

Chega de E-books! Isso já era!

Ninguém aguenta mais fazer o mesmo download daquele livro mal feito, com 16 páginas e fonte Arial 48, que você jura que é um material de valor. Isso está batido demais. Já um workshop passa a sensação de requinte, de coisa bem trabalhada, de um produto que demandou trabalho (e investimento!) para ser elaborado. Receber um set de quatro aulas ou treinamentos em troca do e-mail? Parece um ótimo negócio, não é mesmo?

Se quiser saber mais sobre como construir um workshop irresistível, clique aqui.

2. Trial.

Se você possui uma ferramenta, uma plataforma ou um serviço, que tal liberar um trial para o seu cliente em troca do seu e-mail? Pode ser de três, sete ou até mesmo quinze dias. Lembre-se que existem várias vantagens em se conceder um beta: você permanece mais perto do cliente, você pode exigir uma qualificação maior (telefone, site da empresa) em troca desse acesso, o que te colocará em contato cara-a-cara com esse prospecto, e você ainda terá uma ótima oportunidade de mostrar o quão bom o seu produto ou serviço é em resolver problemas reais.

Um anúncio de trial grátis nas redes sociais chama muito mais atenção do que um vídeo feito naquela web-cam vagabunda, não é mesmo?

3. Transmissões ao vivo.

Transmissões ao vivo são sempre atraentes. Elas são uma ótima oportunidade para que o cliente tenha acesso em tempo real a você, podendo tirar dúvidas e resolver situações real, aqui e agora. Webinários sempre serão encarados como ótimas oportunidades para se fazer aquela “consultoriazinha grátis” – e os leads adoram!

Sempre que você puder, faça um webinários específico, delimitado, que solucione uma questão prática imediata e que possa ser aplicado rapidamente pela sua audiência. Exija o e-mail deles em troca do acesso ao vivo e de algum material (um estudo ou infográfico) que será enviado antes do início da transmissão. Funciona!

4. Sorteios e desafios.

Todos amam sorteios!

 

Simples assim: o bom e velho “Curta e compartilhe” para participar. Funciona desde os tempos da minha avó. Há regras (um monte!) para que você faça sorteios no Facebook, por exemplo, mas todas elas (ou quase todas!) podem ser contornadas com um pouquinho de criatividade.

A grande vantagem desses sorteios é o altíssimo nível de engajamento (curtidas e compartilhamentos) que você consegue sem precisar impulsionar um valor tão alto assim. Você pode começar com micro impulsos e ir sentido o desenvolvimento e a curva de crescimento da audiência. Isso cria um pool de curtidas, que poderá ser acessada posteriormente através de um anúncio mais qualificado - logo, mais eficiente e barato!

5. O bom e velho conteúdo de qualidade.

Que tal criar uma newsletter que realmente entregue conteúdo de valor aos seus seguidores? Tá, chega daquele papinho de “acompanhe o que há de mais novo no marketing digital. A gente não manda SPAM” e blá blá blá. O coitado acredita, deixa o e-mail ali e quando vai ver a única coisa que ele recebe (depois de dois meses!) é um convite para clicar em um botão amarelo que manda ele para uma página que vende um produto para fazer crescer o pinto.

Uma boa newsletter, com conteúdo de qualidade de verdade, não só engaja a sua audiência, a faz crescer, como já cria um processo natural de farming (quer saber o que é isso? Tá tudo explicado nesse artigo! [EM BREVE]), que diminui o custo de ativação do lead, aumenta a sua recorrência e aumenta todas suas taxas de abertura e interação.

Dá trabalho? Dá! Mas vale (literalmente!) a pena!


5 erros que podem destruir o seu e-mail marketing

O marketing de conteúdo é unanimidade por onde quer que ele esteja. Seja com pequenos, médios ou grandes empresários, há sempre gente advogando que a produção de conteúdo em alta qualidade é a melhor (e a mais barata!) maneira de capturar novos leads, qualifica-los, educá-los e convertê-los para novas ofertas.

A questão é que o conteúdo é barato e adiciona, a médio e longo prazo, uma percepção real de valor a sua marca ou ao seu negócio. Desde a popularização dos smartphones, os entusiastas das redes sociais deixaram de tentar adivinhar quando é que aconteceria a morte do e-mail.

Muito pelo contrário: o e-mail veio para ficar e hoje ele é mais forte (e importante) do que nunca.

Entretanto, uma boa estratégia é a diferença entre uma campanha de e-mail marketing que converte e apenas mais uma empresa chata, turrona e que não agrega nada a sua base de cadastrados. Conheça agora os 10 maiores erros para qualquer campanha de e-mail marketing.

1. Os seus e-mails não oferecem nada de valor.

i1

Não dispare e-mails apenas para fazer propaganda, para anunciar promoções e para pedir que os leads façam alguma coisa. As pessoas (simplesmente!) pararão de abri-los quando perceber que você só envia mensagens para força-los a tomarem alguma ação. Você precisa entretê-los, educá-los e informa-los. Ai, então (maravilha!) começarão a aparecer as vendas.

2. Você não possui um público alvo definido.

Um dos maiores erros de quem está começando agora no marketing de conteúdo é a gestão das suas listas e os seus pilotos automáticos. Você não pode (eu não aconselho, pelo menos) jogar todo mundo no mesmo balaio de gato; algo do tipo: “Lista do site” e se dirigir a todos os seus leads em um único disparo de e-mails.

Você precisa qualifica-los, entender de onde eles estão vindo, quais as suas demandas e o que estão procurando naquele exato momento. Se quiser saber mais sobre qualificação de leads, é só ler esse artigo aqui.

3. Você só pede, pede e pede.

Chega de espremer o seu lead contra a parede! Se todas as vezes que ele abrir um e-mail seu você pedir alguma coisa para ele (clique aqui, curta as nossas redes sociais, conheça o nosso site, veja a nossa última promoção) ele perceberá que você está apenas utilizando ele para fazer caixa ou para que ele faça peso como mais um na sua lista de seguidores. Isso não é só bem ruim...na maior parte das vezes é irreversível. Ele acabará saindo da sua lista.

4. O e-mail só fala do seu negócio.

Uma coisa que você tem que colocar na cabeça de uma vez por todas é que o cliente é o centro gravitacional da comunicação da sua empresa. Quando ele chega até você ele quer que os seus problemas (ou as suas dúvidas, demandas ou curiosidades) sejam resolvidas.

Não adianta de nada você só falar sobre como a sua empresa é inovadora e como você é um dos maiores comunicadores da história do marketing digital. Se você não puxar uma cadeira e ouvi-lo por cinco minutos, entendendo (exatamente!) o que ele deseja, acabará perdendo o fio da meada. Fora o risco que é parecer ser arrogante e senhor de si. Lembre-se: você tem uma boca e duas orelhas.

5. Você mente.

i2

Esse é o maior erro que você poderá cometer. Todos os outros erros irão, no máximo, irritar o seu lead e fazê-lo desistir de acompanhar você, mas se você mentir (seja no produto, na proposta ou na construção da sua oferta) provavelmente você estará perdido para sempre. O seu nome, a sua marca e o seu negócio estarão em jogo e um cliente desapontado pode contaminá-lo para uma porção de pessoas.

Fora que não há nada melhor do que jogar limpo, entregando valor e resolvendo problemas reais, para que você possa servir ao seu cliente e aproveitar ciclos maiores de mercado, já que uma pessoa satisfeita tende a permanecer mais tempo com a sua empresa.