Como construir uma fan-page perfeita!

Que o Facebook mudou a história com que pequenos e médios empresários se comunicavam com os seus clientes e eram encontrados aqui na internet, ninguém pode discutir. Se você já acompanha o conteúdo que eu produzo, já deve estar careca de saber.

O Facebook tornou tudo muito mais fácil, inteligente, automatizado e acessível a milhões de empresários, empreendedores, administradores, criativos e autônomos que não podiam (obviamente) desprender dezenas de milhares de reais por ano com os serviços de uma agência especializada.

Definitivamente, o Facebook deu voz a toda uma classe de pequenos homens de negócio.

Agora, saber que as ferramentas são fáceis, intuitivas e que oferecem um leque enorme de possibilidades de anúncio, não quer dizer que tudo o que você fizer no Facebook dará certo. Adianto para você: não vai.

O artigo de hoje deixa um pouquinho de lado as campanhas pagas e foca na questão do tráfego orgânico, afinal de contas, a sua empresa ou negócio não pode depender apenas das verdinhas que você transfere para a conta do tio Mark.

A pergunta que eu te faço é a seguinte: porque é que algumas páginas funcionam muito melhores do que as outras? O que é que compõe uma boa gestão de uma fan-page? Hoje, eu vou te passar os pontos principais, para que você possa construir a sua cadeia de audiência genuína, sem depender do seu cartão de crédito.

1. A principal regra de todas: foque no visitante, cacete!

A audiência é tudo!

Não adianta, tudo o que você estiver fazendo deve ter sempre como a primeira (e principal!) preocupação, a manutenção (e o aumento) da sua audiência. Escreva para eles, responda aos seus comentários, dê like em suas piadas, convide-os para chamarem mais amigos, crie campanhas, seja surpreendente, fuja dos posts previsíveis.

Uma página bem administrada dá trabalho, mas esse trabalho vale mais do que a pena. Faça cada post não como quem está sendo obrigado a fazê-lo, apenas para dar okay naquela tarefa da semana. Faça com carinho, com atenção, produzindo conteúdo original e não apenas copiando de outras pessoas e mudando as palavras...

A sua audiência é o motivo de você estar aqui e com as portas abertas. Nunca esqueça disso.

2. Não tire da cabeça o seu KPI.

Simples reto: se você não sabe o que é KPI, tem um artigo só sobre isso aqui. Leia agora e depois volte aqui (EM BREVE).

O que eu vejo (demais!) acontecendo em páginas e até mesmo em perfis pessoais que servem para divulgar negócios, é o sujeito se perder (em meio a tantos posts e a tantas redes sociais) o fio da meada; esquecer o porquê de estar fazendo tudo aquilo e, simplesmente, começar a correr atrás de curtidas e compartilhamentos.

Eu mesmo luto contra isso sempre. Curtidas são incríveis, e acabam refletindo o sucesso do seu trabalho, mas elas não pagam a conta de luz.

Hoje em dia eu sei que você tem que alimentar uma série de redes sociais, cuidar da gestão da sua lista, do CRM, atender ao suporte e ainda gerenciar pagamentos (e muito mais coisas!), mas se você esquecer porque é que diabos você está fazendo tudo isso (para abrir novas contas? Para vender produtos? Para aumentar a lista?) você deixa de ser eficiente e passa a viver de ego.

Não esqueça porque é que você abriu essa página, essa empresa e decidiu criar esse negócio. É muito fácil adotar os memes, as piadas da moda e deixar de tocar a sua fan-page como um negócio e se deixar levar pelo “concurso de popularidade”.

3. Seja específico e sempre bata nas mesmas razões.

Seja específico!

Quando você construiu o branding, a identidade visual, a narrativa e o storytelling da sua empresa, provavelmente você fez o plano descritivo do seu produto, não é?

Encontrou os seus pontos fortes e fracos, as suas vantagens competitivas, criou a sua proposta e delimitou certinho a sua tecnologia proprietária...

Ou seja: você já sabe porque o seu produto possui vantagens sobre os da sua concorrência e porque você se sente confortável em vende-lo.

Então não esqueça disso ao longo dos seus posts. Não anuncie, a cada semana, novas razões para que o cliente compre o seu mesmo produto. Não tente se posicionar em uma nova reserva de mercado a cada mês. Não tente (miseravelmente) se tornar uma autoridade em um nicho diferente por trimestre...

Se mantenha focado: construía a narrativa e a linha de comunicação da sua rede social baseada nas REAIS vantagens competitivas daquilo que você oferece, ou você irá se enforcar.

4. Demonstre credibilidade.

Use e abuse de todos os instrumentos que podem trazer autoridade a sua proposta, a sua empresa e aos seus produtos. Utilize-se de depoimentos, estatísticas, opiniões, posicionamentos referências...

Esse (a credibilidade) acaba sendo um dos pontos mais fortes do processo de decisão de compra. Sem ele, fica tudo mais difícil.

5. Venda. Venda!

Venda, venda, venda!

Não adianta usar as redes sociais apenas para se comunicar. Ser o sujeito engraçado e com bastante marcações não lhe traz dinheiro. Uma hora ou outra você terá que vender.

Realize promoções, eventos, oportunidades. Torne tudo mais agradável (e atrativo!) do que apenas um: “Compre! É bom”.

Aproveite os feriados e momentos comerciais do ano. Faça tudo jogar ao seu favor. Eu vejo páginas que são administradas excepcionalmente bem, mas que parece que o sujeito tem medo de vender. Acha que, sei lá, se fizer uma oferta as pessoas sairão correndo.

Perder o medo da venda coroa todo o processo (trabalhoso!) de uma boa política de comunicação. Se você criou um bom ambiente, que educa, qualifica, atende e comunica, acredite, as pessoas estarão aguardando (ansiosas!) pelas suas promoções.

Se você não fizer (com medo de irritá-las ou afastá-las) está mandando um exército de clientes, com seus cartões de crédito nas mãos, de volta para casa.

Não seja louco de fazer isso.


Os 5 erros que vão matar a sua Fan-page!

O Facebook mudou para sempre a maneira com que os pequenos empresários, empreendedores, criativos e profissionais autônomos pensam em marketing. A maior rede social do mundo não só deu mais liberdade, a um preço claro, determinado e transparente, como concedeu a oportunidade de qualquer um escolher o quanto quer gastar.

Quantas agências lhe dariam bola, sabendo que você tem R$ 150 por mês para investir?

E foram esses detalhes que mudaram tudo. Não pense que estamos falando apenas de gente que está começando agora, com pouca verba no bolso e muito amor à camisa; as grandes também investem, continuamente, através das suas páginas.

Mas, esquece os endinheirados (eles tem como contratar profissionais capacitados) e vamos focar em quem come arroz com ovo.

O fato é que o Facebook é tão bom, que todo mundo está nele. Por ele ser barato, eficaz, simples de se compreender e ainda mais de se usar (postar), ele acaba sendo a principal (as vezes a única) fonte de marketing para boa parte dos negócios.

Existem, porém, algumas práticas que podem matar a sua fan-page, e é a minha obrigação te dizer quais são as que eu enxergo como as mais perigosas:

1. Não conhecer profundamente o seu público.

Tem que converter

Você sabe quem é (exatamente) o seu público alvo? Qual é a sua persona? O seu ambiente do dia a dia? Quais argumentos de compra lhe interessam? O que ele está buscando? Quais são as suas dores? E eu posso fazer mais cento e cinquenta perguntas como essas...

A diferença entre um comparador e um comprador é, na maior parte das vezes, a quantidade de chaves (mentais) que você consegue girar nesse cara, até convencê-lo de que a sua solução é a melhor, diante dos outros concorrentes; e você só faz isso (evitando um grande desperdício de energia) se o conhecer de verdade.

Não adianta postar 365 memes por ano. Ter 400 likes por post. Você tem que converter.

Ninguém paga as contas com compartilhamentos.

2. Não ter personalidade alguma.

Qual a personalidade do seu negócio?

A sua página é só mais uma que, assim como tantas e tantas outras, insiste em postar foto da praia com aqueles dizeres: “Viva um dia de cada vez”?

Quando eu chego nesse ponto, de vez em quando eu tenho que ouvir a seguinte questão: “Ah, mas dá compartilhamento! As pessoas gostam!”.

Tudo bem, eu sei que as pessoas (sabe-se lá porque) gostam desses negócios toscos, mas a questão não é essa! A questão é bem mais direta e simples, principalmente para o seu bolso.

Primeiro ponto: que valor de marca você adiciona, ao ter esse conteúdo compartilhado? Ele não adiciona qualquer elemento ou expõe qualquer vírgula comercial da sua marca. É apenas uma mulher fazendo yoga com uma criança!

Segundo ponto: o que garante que as pessoas que darão like e share são o tipo de gente que você transformará (em algum momento) em cliente?

Se você é uma empresa do ramo da boa forma, do fitness, da yoga e tudo mais, beleza. Se você vende pranchas de surf ou dá aulas de mergulho, muito bom; mas eu vejo escritórios de contabilidade fazendo isso...

3. Não ter objetivos definidos.

Eu conheço gente que se diz entendida em redes sociais, que está o dia todo nelas (fofocando, fofocando e fofocando) e que se sentem tão confortáveis com o meio que até ajudam outras pessoas.

Sempre que eu ouço alguém dizer: “Fulano entende bem de Facebook!”, eu costumo responder: “Como entretenimento ou negócio? Ele mede?”.

 Vamos lá, resumindo tudo isso: por que é que as pessoas correm atrás de curtidas e compartilhamentos? Porque são ações. E ações mostram que tem gente engajada (vendo e comentando) com o seu conteúdo.

E a gente sabe que o engajamento é o passo que antecede a venda...

Agora, que venda? Você pretende vender como? Colocando uma foto do produto ali, direto, e escrevendo que é promoção?

Você precisa ter objetivos que convertam toda essa atenção em vendas, ou estará perdido. Existem dezenas de formas de qualificar uma venda de maneira mais inteligente do que (somente) postá-la no Facebook e dizer: “Galera, aproveite!”.

Eu fiz até um artigo só sobre isso. Dá uma olhada aqui.

4. Ignorar os comentários.

Não ignore os comentários!

Eu venho dizendo isso há anos! Há anos!

Todo o segredo do Facebook está na maneira com que você lida com os comentários.

Eles são a porta de entrada para todas as grandes (e rápidas) oportunidades comerciais; de fechamento de negócio ou de venda de produto. Ali estão os clientes mais quentes, os decididos, os que estão suficientemente engajados para digitarem uma pergunta naqueles celulares Motorola com a telinha do tamanho de um relógio. E o cara faz isso!

É um erro tremendo você só postar e voltar, dias depois, para responder alguns comentários.

Não responda todos os comentários iguais.

Não responda com uma linha.

Caramba, o dinheiro e as oportunidades estão todas ali, literalmente batendo na sua porta, e você abre mão de tudo isso para preparar mais um post com um cachorro em cima de uma prancha de surf?

5. Falta de compromisso.

E o seu compromisso?

Qual foi a última vez que você postou dia sim dia não na sua página?

Ou, pelo menos, três vezes por semana?

Afinal de contas, você tem ou não tem um cronograma para alimentar as suas páginas?

O que eu mais vejo é gente que é viciada em criar páginas, participar de grupos, postar SPAM em cada um deles e que (simplesmente!) não se preocupa com a coisa mais importante desse negócio todo: postar regularmente e responder aos comentários de maneira atenciosa e com um objetivo bem construído, conhecendo o seu público!

Cacete, eu consegui (literalmente!) resumir o post todo só nessa frase...

Mas, enfim, é isso.

Poste sempre, responda aos comentários, pense em maneiras diferentes de vender (ou de qualificar!) a sua audiência, poste coisas que eles percebam que foi feita por você (isso dá a ideia de que você está tendo trabalho com isso. Que está se esforçando!) e o mais importante: não se afaste da sua audiência. Não esfrie. Não ignore.

Toda a razão de existir da sua empresa está ali: nos seus prospectos e nos seus clientes.


Fazendo grana no Facebook em 6 passos!

O Facebook é a grande Meca para micro e pequenos empresários. Antes da maior rede social mudar (para sempre!) a história dos anúncios, e a maneira com que as pessoas veem e são vistas aqui dentro da internet, ser notado não era tão simples e democrático assim.

Quem trabalha com comunicação, com marketing ou com tecnologia acaba achando que tudo é fácil (e intuitivo!) demais; bom, não é. Se você nunca fez qualquer campanha para a sua marca ou empresa no Facebook, por exemplo, pode ser que você se sinta um pouco perdido.

E é por isso que eu decidi fazer esse primeiro passo-a-passo simples, ao alcance até mesmo de quem não possui qualquer familiaridade com o marketing e o social-media, para clarear um pouco as suas ideias. São só cinco passos, mas eles são realmente importantes. Vamos lá?

1. Você sabe o que é que você está vendendo?

Saiba o que está vendendo!

Pode parecer uma pergunta engraçada, mas ela é muito importante. É verdade: de acordo com a minha própria experiência, um terço dos empresários com quem eu converso não fazem exatamente o que eles estão vendendo. É como achar que o Starbucks vende café.

Você está vendendo artigos para academia ou autoestima? São óculos ou é estilo e status? A sua loja de comidas naturais vende mesmo açaí ou todo um movimento e aquela sensação de pertencimento àquele grupo de pessoas?

2. Quais são as suas metas?

Tudo bem, vamos lá: você separou R$ 300,00 para pôr esse mês no Facebook, não é? Para quê? Com quais objetivos? Para a promoção de que campanhas? Por qual motivo?

Não adianta, simplesmente, impulsionar alguns posts engraçadinhos ou alguma dessas fotos bonitinhas de pôr do sol, se não há um objetivo estratégico eficiente. Você sabia que se você impulsionar uma matéria você terá muito mais força orgânica do que simplesmente um post comum? Ou que, se você for trabalhar com uma imagem, é melhor que ela tenha uma frase genérica e de inventivo – e que os incentivos funcionam (e viralizam!) mais do que as frases críticas?

Será que não é melhor investir esse dinheiro em um post que leve até alguma página de evento? A algum lead magnet realmebte valioso? (não sabe o que são leads magnets? Tem um artigo aqui sobre isso!)

Afinal de contas, quais são as suas metas?

3. A sua voz está adequada a sua audiência?

Qual é a voz da sua marca?

Falar com um público alvo de 18-24 é totalmente diferente de falar com pessoas casadas, com filhos, acima dos 35 anos. Não só o tom quanto a voz do post muda, mas a exposição, as referências e até mesmo a frequência dessa conversação.

O seu público está mais habitado a textos ou a imagens? Eles entendem um meme? Eles possuem o mesmo nível de humor que o seu? Estão prontos para algumas respostas (gestão de comentários) um pouco mais bem humoradas?

Conforme você vai alimentando a sua rede social, vai também aprendendo com ela. Reúna os posts que deram os melhores resultados. Eles (com quase toda a certeza!) possuem aspectos em comum. Se você não testar, acabará não descobrindo nunca!

4. Você está aproveitando o timing?

Internet é timing. Nunca se esqueça disso, cowboy. O que está fritando a cabeça (e a língua) das pessoas hoje será esquecido amanhã. O meme que está bombando no Facebook, será deixado de lado em algumas horas.

E qual é a vantagem disso? Porque, enquanto as coisas estão quentes (e circulando!) a distribuição desse conteúdo é imensa!

As pessoas não gostam de compartilhar coisas antigas, ou que todo mundo já cansou de ver, em suas linhas do tempo. Agora, quando aquela piada ainda está fresca, você terá uma enxurrada de tráfego orgânico (e motivado!) levando a sua piada, brincadeira ou comentário direto uns para os outros – e, é claro, a sua marca ou negócio de brinde.

5. Você está se posicionando bem?

Qual o alvo da sua campanha?

O tráfego custa muito tempo e dinheiro para ser construído. Uma boa lista (quente e verdadeira!) de seguidores fiéis é o resultado de muitos anos de trabalho. Que tal dar uma mordidinha de quem já fez o dever de casa?

Ótimas observações, comentários engraçados ou observações inteligentes em posts de páginas grandes (concorrentes ou complementares a sua) costumam jogar os seus comentários lá para o alto. Você vai acumulando curtidas e comentários (e, quanto mais você comenta, mais a coisa aumenta!) e toda essa ação acaba se convertendo em curtidas, seguidores e até (quem sabe, se você tiver sorte!) um belo punhado de pessoas falando com você pela caixa de mensagem e querendo saber um pouco mais sobre o seu negócio!